quinta-feira, 18 de junho de 2015

ALUNOS DO 9º A E B

ALUNOS CONFORME COMBINADO  EM SALA DE AULA, PARA IMPRIMIR  A CRÔNICA  DE FERNANDO SABINO JUNTAMENTE COM AS ATIVIDADES. CLIQUEM AQUI.
NÃO ESQUEÇAM QUE DEVEM TRAZER AS ATIVIDADES RESPONDIDAS.

quinta-feira, 14 de maio de 2015

ALUNOS DO 9º A E B

COLOCAÇÃO PRONOMINAL
Hoje, vamos falar sobre um assunto que costuma gerar bastantes dúvidas: a colocação pronominal.
Mas o que isso exatamente significa?
Bem, os chamados pronomes oblíquos átonos (me, te, se nos, vos, o, a, os, as, lhe, lhes) podem ocupar três posições em relação a um verbo:
PRÓCLISE (antes do verbo)
MESÓCLISE (no meio do verbo)
ÊNCLISE (depois do verbo)
CASOS DE PRÓCLISE
·         Palavras com sentido de negação
Eu não lhe informei a data correta do evento.

·         Advérbios
É perceptível que hoje se discute mais sobre política no país.

·         Pronomes:
a) Relativos
Reconheci a professora que me deu aula na faculdade.

b) Demonstrativos
Isso te interessa.

c) Indefinidos
Ninguém nos chamou para a festa.

·         Conjunções
Quando se pensa em educação, poucos investimentos são reconhecidos.
Ele disse que me amava.

·         Expressão “EM + verbo no gerúndio”:
Em se tratando de saúde pública, o Estado mostra-se ausente.

·         Frases:
a) Interrogativas
Ela te contou a verdade?

b) Exclamativas
Ele me falou tudo!

c) Optativas (frases que expressam desejo)
Deus te proteja.

CASOS DE MESÓCLISE
A mesóclise, apesar de ser considerada por alguns como um arcaísmo linguístico, justifica-se quando o verbo estiver conjugado no futuro do presente ou no futuro do pretérito:
Falar-te-ei a verdade.
Ele contar-me-ia tudo se você permitisse.

CASOS DE ÊNCLISE
·         Início de frase
Conte-me tudo.

·         Após uma pausa
Por favor, retirem-se.

·         Infinitivo
A minha vida é amar-te.

SE LIGA!
próclise prevalece se houver um fator atrativo:
Eu não encontrá-lo-ei. (INCORRETO)
Eu não o encontrarei. (CORRETO)
Notem que, apesar de o verbo estar conjugado no futuro do presente (caso de mesóclise), o advérbio de negação “não” atrai o pronome para antes do verbo. A próclise deve ser respeitada prioritariamente.


AGORA VAMOS  EXERCITAR UM POUCO, CLIQUE NAS ATIVIDADES ABAIXO:

ATIVIDADE 1

ATIVIDADE 2

segunda-feira, 11 de maio de 2015

ALUNOS DO 8º B/C


ADJUNTO ADNOMINAL:
Termo sempre associado ao nome, com ou sem preposição, caracteriza ou determina um substantivo. O adjunto adnominal não se liga ao nome por meio de verbo.

OBSERVAÇÃO:
Classes gramaticais que funcionam como ADJUNTO ADNOMINAL:
artigo – adjetivo – locução adjetiva - pronome adjetivo – numeral adjetivo.

Exemplo:
Os meus dois queridos AMIGOS de infância chegaram ontem de São Paulo.
(Repare que as palavras em destaque são adjuntos adnominais.)
os = artigo
meus = pronome adjetivo
dois = numeral adjetivo
queridos = adjetivo
de infância = locução adjetiva

VAMOS AGORA EXERCITAR ( CLIQUE NA ATIVIDADE ABAIXO)



ORTOGRAFIA ATIVIDADE  AQUI.


Aposto e Vocativo

  Aposto:
É o termo que explica, desenvolve, identifica ou resume outro termo da oração, independentemente da função sintática que este exerça. Há quatro tipos de aposto:
Aposto Explicativo: 
O aposto explicativo identifica ou explica o termo anterior. É separado do termo que identifica por vírgulas, dois pontos, parênteses ou travessões.
Exemplo:Terra Vermelha, romance de Domingos Pellegrini, conta a história da colonização de Londrina.
Aposto Especificador:
O aposto especificador individualiza ou especifica um substantivo de sentido genérico, sem pausa. Geralmente é um substantivo próprio que individualiza um substantivo comum.
Exemplo:O professor José mora na Rua Santarém, na cidade de Londrina. Nesta oração, José, Santarém e Londrina são apostos especificadores uma vez que especificam os substantivo comuns professor, Rua e cidade.
Aposto Enumerador:
O aposto enumerador é uma sequência de elementos que desenvolve uma ideia anterior.
Exemplo:O escoteiro deve carregar consigo seu material: mochila, saco de dormir e barraca.

Aposto Resumidor:
O aposto resumidor é usado para resumir termos anteriores, geralmente sujeito composto. É representado, geralmente, por um pronome indefinido.
Exemplo:Alunos, professores, funcionários, ninguém deixou de lhe dar os parabéns.

Vocativo:
O vocativo é um termo independente que serve para chamar por alguém, para interpelar ou para invocar um ouvinte real ou imaginário.

Exemplo:Teté, dê-me um beijo!

sexta-feira, 24 de abril de 2015

Alunos do 9º A /B conforme combinado na sala de aula exercícios de fixação, referente as orações subordinadas.



PARA A PRÓXIMA AULA

Sublinhe e Classifique as Orações Subordinadas Substantivas:
01. O soldado insistia  em que a prisão fosse feita. 
02. Ignoro quantos são os desabrigados. 
03. Acreditava-se que a terra fosse móvel. 
04. Aconteceu  que faltou luz. 
05. A mãe só deseja isso:  que você seja forte. 
06. O tio está certo  de que a prima virá. 
07. É provável  que vocês não tenham aula hoje. 
08. É imprescindível  que todos se conscientizem. 
09. Seremos julgados  por quem nos criou. 
10. É fundamental  que o contratem. 
11. Levo a impressão de que já vou tarde. 
12. Só me resta uma alternativa:  encontrar o remédio. 

  PARA PRATICAR UM POUCO MAIS EXERCÍCIOS:

ATIVIDADE 1

ATIVIDADE 2


sábado, 28 de março de 2015

ALUNOS DO 8º B/C 9º A/B

VAMOS ESTUDAR UM POUCO .

Lista de Palavras para estudo soletrando.AQUI.

JOGO SOLETRANDO. AQUI

sexta-feira, 27 de março de 2015

9º ANO A/B

FIGURAS DE LINGUAGEM




JOGO DA ACENTUAÇÃO AQUI

 ATIVIDADE 1

quinta-feira, 26 de março de 2015

ALUNOS DO 8º B/C PARA TIRAR DÚVIDAS DO CONTEÚDO SOBRE SUJEITO INDETERMINADO E ORAÇÃO SEM SUJEITO,

Sujeito Indeterminado: é aquele que, embora existindo, não se pode determinar nem pelo contexto, nem pela terminação do verbo. Na língua portuguesa, há três maneiras diferentes de indeterminar o sujeito de uma oração:

a) Com verbo na 3ª pessoa do plural:
O verbo é colocado na terceira pessoa do plural, sem que se refira a nenhum termo identificado anteriormente (nem em outra oração):

Por exemplo:
1-Procuraram você por todos os lugares.

2-
Estão pedindo seu documento na entrada da festa.

b) Com verbo ativo  na 3ª  pessoa do singular, seguido do pronome se:
O verbo vem acompanhado do pronome se, que atua como índice de indeterminação do sujeito. Essa construção ocorre com verbos que não apresentam complemento direto (verbos intransitivos, transitivos indiretos e de ligação). O verbo obrigatoriamente fica na terceira pessoa do singular.
Exemplos:
1-Vive-se melhor no campo. (Verbo Intransitivo)
2-Precisa-se 
de técnicos em informática. (Verbo Transitivo Indireto)

oração sem sujeito, ou sujeito inexistente, como preferem alguns autores, ocorre quando, simplesmente, não existe elemento ou pessoa gramatical ao qual o predicado se refere.
Choveu a noite inteira”.
Isso acontece quando o verbo expresso na oração se apresenta com sentido impessoal dentro daquele contexto. Vamos conhecer os mais comuns:
  1. Verbos ou locuções que indicam fenômenos da natureza, como chovernevartrovejar:
Trovejou sem parar na Baixada Fluminense”.
“No inverno passadonevou  na Flórida”.
Havia chovido bastante durante a manhã”.
  1. O verbo haver no sentido de existir, acontecer:
“Na reunião de pais só havia mães”. (Fernando Sabino).
Houve  poucas desistências para o  curso de verão”.
  1. Verbos indicando tempo decorrido, como haverfazerir:
  muitos anos nos conhecemos. Desde  criança”.
Faz dois meses que não vou à aula”.
Vai para dez anos que me aposentei”.
  1. Verbos ou locuções indicando tempo e distância, como ser, passar:
Era um dia abafado e aborrecido”. (Aluísio Azevedo).
“Já passa das quatro horas”.
Tinham sido horas de longa espera por atendimento médico”.
Observe que, em todos os exemplos, os verbos destacados não possuem sujeito, são impessoais, já que não há elemento gramatical ao qual o predicado se refere. Se esse elemento gramatical passar a existir, logicamente a oração passa a ter sujeito. Veja:
“De manhã escureçoDe dia tardoDe tarde anoiteçoDe noite ardo.” (Vinícius de Moraes)
Os verbos em destaque estão empregados em sentido figurado. Como quem “escurece, tarda, anoitece” é a pessoa do poeta (eu=pessoa gramatical), o sujeito simples está presente na oração.
Portanto, apenas memorizar os verbos que são impessoais não é garantia de classificar corretamente uma oração. É preciso atentar para a função e o sentido que o termo exerce dentro daquele determinado contexto.



VAMOS FAZER ALGUMAS ATIVIDADES PARA TIRAR DÚVIDA;